26 de ago de 2012

Professores fazem contraproposta ao governo

Entidades não aceitaram a proposta do governo de reajuste de no mínimo 25% e máximo 40%; Ministério da Educação informa que negociações estão encerradas e plano "busca a valorização da dedicação exclusiva e da titulação dos docentes"

Agência Brasil - Um grupo de representantes do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes-SN) foi recebido no Palácio do Planalto, por funcionários da Secretaria-Geral da Presidência da República. Eles protocolaram uma contraproposta dos professores e pediram a reabertura das negociações, encerradas desde o dia 3 de agosto pelo governo, que assinou acordo com o Sindicatos de Professores de Instituições Federais de Ensino Superior (Proifes), entidade que representa a minoria dos docentes.

As entidades de classe que reúnem a maioria, o Andes-SN e o Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (Sinasefe), rejeitaram a proposta governamental de reajuste de 20% a 45%. Ontem (23), a presidenta do Andes-SN, Marinalva de Oliveira, também esteve no Ministério do Planejamento para protocolar a contraproposta e informou, na ocasião, que a categoria abre mão de aumento e dá preferência à reestruturação da carreira.

Nesta sexta-feira, o Ministério da Educação reafirmou, por meio de nota, que as negociações com os professores das instituições federais de ensino estão encerradas. O MEC afirma que o acordo assinado com a Federação de Sindicatos de Professores de Instituições de Ensino Superior (Proifes), que representa parte dos professores, "busca a valorização da dedicação exclusiva e da titulação dos docentes".

De acordo com a nota, as entidades que não aderiram ao acordo - Andes-SN e Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (Sinasefe) - podem fazê-lo a qualquer momento. A oferta do governo prevê reajuste mínimo de 25% e máximo de 40% para os professores.

Fonte: Agência Brasil

17 de ago de 2012

ORAÇAO DE QUEBRAR FEITIÇO PARA UNIAO DOS PALMARES-AL


Por José Cizino de Oliveira


              “ES´U OTA ´ORIS´A ´´OSETUR´A L’ORUK´O ´AYAB´A M´O O´”!

Senhor, Deus todo poderoso, baixai teu olhar doce, sereno e misericordioso sobre nos povo palmarino, todos nos, pobres, humildes, humilhados, perseguidos, escravizados e desumanizados. Nos que rastejamos há décadas nos guetos das desilusões.

Faze-nos, Senhor, com o teu olhar, levantarmos a cabeça, o troco e todos os membros, com a força da tua verdade, da tua justiça, do teu amor e da tua esperança que e o que ainda nos mantem de pé e respirando. Estamos à beira do caos moral que nos leva barranco abaixo ao caos social.

Lavai nossas almas Senhor, com a agua do Rio Jordao e nos dai novo animo de viver, assim como foi dado ao teu filho Jesus Cristo quando foi batizado por São Joao batista.

Já não suportamos mais Senhor, ver tantas cabeças expostas em bandejas em detrimento de insultos e gargalhadas dos usurpadores do povo que usam o teu santo nome em vão e em nome do teu amor infinito pelo povo, negligencia os teus ensinamentos e desviam os princípios básicos da fé e do amor incondicional ao próximo.

Fazei o chicote da opressão transformar-se em colares para enfeitar o nosso pescoço e do sangue derramado pelo mesmo chicote correntes para atar os pés e as mãos do opressor.

Ressuscitai Senhor, nesta hora que se faz tempo os espíritos dos nossos ancestrais, guerreiros escravizados, e do sangue injustamente derramado no topo da Serra Mae Barriga, fazei descer ladeira abaixo, nas raízes da fé africana a justiça por séculos negada.

Que os raios de Iansã com toda a sua força queime de vez o tronco da jurema e que a terra expurgue do seu interior o catimbó do diabo ali plantado, para que assim a verdade prevaleça e os castigos sejam creditados com toda a sua força a quem devedor for.

Fazei nascer dos troncos que nos oprime, sementes de libertação, levadas com a sabedoria de Ossaim e de Oxosse aos campos férteis de tempos novos. Que Omulu cure as feridas, ainda vivas e cortantes que não foram cicatrizadas das entranhas do nosso povo.

Com o leite de nossa Mae Maria Santíssima que tem nos alimentado nestes anos de desesperança e com a graça do Divino Espirito Santo dai-nos a paz, a verdade e a lisura com a coisa publica que tanto almejamos.

Estamos exaustos Senhor, não confiamos em mais ninguém, só em ti, e em ti depositamos o nosso voto de libertação. Estamos exaustos Senhor e já não suportamos os chacais em pele de cordeiros a nos enganar com suas caras dóceis, seus pelos brancos e macios que mesmo conhecendo a tua verdade, que mesmo conhecendo o mal em sua raiz se calam e te usam em nome de seus próprios interesses.

Protege-nos Senhor, seja dia, seja noite, por agua, por fogo ou por terra. Fechai nosso corpo e nos livra do feitiço das palavras falsas da corrupção que enriquece alguns à custa da miséria de muitos. Livrai-nos de tudo quanto for de ruim, pelas quarenta e cinco chagas de nosso Santíssimo, nos livrai dos maus feitores, dos maus empresários que expoliam os seus empregados e financiam o sucesso de poucos em nome da miséria de muitos, pois aquilo que por ele dado em dobro será cobrado.

Dê-nos coragem, serenidade, força, saúde, humildade e os ensinai a ter respeito a tua palavra e a palavra empenhada aos pobres em nome de sua ascensão. Que Olodumare, Senhor Supremo, que Oduduwa, fonte geradora de vida, Jave, Jeova, Maome, Orinshala, Emanuel, Oxala, Xango, Aganju, Kori, Abipa, Abiedun em sua eterna sabedoria possa guiar as nossas cabeças para um dia, que seja hoje, União mudar. Amem! Axé!

12 de ago de 2012

Senado aprova PEC do diploma em Jornalismo

Brasília - O Senado aprovou ontem, por 60 votos a favor e 4 contrários, o segundo turno da proposta de emenda constitucional (PEC) que torna obrigatória a obtenção do diploma de curso superior de Jornalismo para o exercício da profissão no País.

O texto terá ainda de ser votado na Câmara dos Deputados, onde tramita uma proposta semelhante. Em 2009, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que a exigência do diploma, imposta durante o regime militar, atenta contra a liberdade de expressão. A emenda agora aprovada e a da Câmara são alvo do lobby patrocinado pela Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) e por outras entidades sindicais.

O senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) foi o único a se manifestar contra a proposta. Na sua opinião, ela interessa sobretudo aos donos de faculdades privadas ruins, "arapucas que não ensinam nada e que vende a ilusão de um futuro profissional". "Não há interesse público envolvido nisso. Pelo contrário, a profissão de jornalismo diz respeito diretamente à liberdade de expressão do pensamento, de modo que não pode estar sujeita a nenhum tipo de exigência legal nem mesmo constitucional", defendeu.

O parlamentar lembrou que, se a emenda for aprovada pelos deputados, a profissão de jornalista será a única a constar na Constituição. "Existem médicos, advogados e outros profissionais que são bons jornalistas, sem a necessidade de ter um diploma específico", afirmou.

"Será uma aberração colocar a profissão de jornalista na Constituição por razões meramente corporativas, para atender ao sindicalismo dos jornalistas, que é o mesmo que trabalha pelo controle social da mídia", criticou Ferreira.

A senadora Ana Amélia (PP-RS) disse que, como jornalista diplomada, aprovaria a proposta "por questão de coerência". Já o autor da proposta, senador Antonio Carlos Valadares (PSB-SE), atribuiu as críticas à proposta de emenda aos "patrões" de empresas de comunicação, interessados em contratar profissionais não diplomados por um salário menor. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Fonte: Site do UOL

7 de ago de 2012

Um pAsSeio PoR NaTaL-Rn

Os 400 quilômetros de costa de Natal e arredores, emoldurados por dunas, recifes, falésias e piscinas naturais, fazem da capital do Rio Grande do Norte um dos destinos mais procurados do país. Junte-se a tudo isso passeios de bugue, rústicas vilas de pescadores, natureza preservada, noite agitada e sol quase todos os dias do ano. Resumo: férias perfeitas!

Ao Norte, os destaques são as dunas de Genipabu e as lagoas de Jacumã e Pitangui

Natal foi fundada pelos portugueses no século 16, com a construção do Forte dos Reis Magos. A fortaleza, com formato semelhante ao de uma estrela de cinco pontas, é um dos principais cartões-postais da cidade. Além de guardar canhões e muitas histórias, descortina uma bela vista das praias urbanas da capital potiguar.

A mais procurada é Ponta Negra, concorrida durante o dia em função de seus quiosques; e badalada quando o sol se põe por reunir alguns dos melhores bares e restaurantes locais. Em muitos deles, o cardápio é repleto de delícias típicas da culinária regional à base de frutos do mar, carne-de-sol, feijão verde, arroz-de-leite...
O dia começa cedo em Natal. A primeira providência é alugar um carro - de preferência um bugue, o meio de transporte oficial para circular pela capital e arredores. Seguindo para o litoral Norte, os destaques são as dunas de Genipabu e as lagoas de Jacumã e Pitangui, onde são praticados o esquibunda e o aerobunda. Ao Sul, as tranquilas praias da região levam à vila de Pipa, a 90 quilômetros.
Quando o assunto é compras, os mercados de artesanato espalhados por Natal oferecem peças em madeira, tecido e vidro. No Centro de Turismo, um casarão onde funcionou a cadeia pública, os destaques são os delicados bordados em renda de labirinto e os coloridos trabalhos em cerâmica.

Fonte do texto de apoio: Férias Brasil