28 de abr de 2011

ROCHA...83 anos de responsabilidade e compromisso social

JMarcelo fotos
       "Escola Estadual Rocha Cavalcanti comemora seus 83 anos de existencia."

Hoje dia 28 de Abril a comunidade palmarina aplaude de pé e parabeniza a Escola Estadual Rocha Cavalcanti pelos seus 83 anos de trabalho e compromisso com a educação e a formação de cidadãos críticos e atuantes na sociedade, fundada em 28 de Abril de 1928.
E com muito regozijo e orgulho o Blog Democratizando o Saber na pessoa do ex- aluno Prof. Carlos Senna e a educadora e ex-professora desta digníssima instituição de ensino Maria Salomé Ferreira de França  vem em público desejar a todo(as) os funcionários, professores e especialmente os alunos um FELIZ ANIVERSÁRIO, e que continuem com essa força e garra mostrando para todos que educação pública ainda funciona e que é feita com amor, ética e compromisso, coisa que essa equipe sabe realizar com garantia de qualidade.

Confiram abaixo a emocionante carta escrita pela professora Maria Salomé.

Meus colegas do Rocha Cavalcanti, na condição de ex- professora desta digníssima instituição de ensino, aqui estou utilizando-me deste importante veículo comunicativo educacional de nossa cidade o Blog Democratizando o Saber, venho com muita honra representar meus amigos professores, funcionários e especialmente os alunos que são atores principais desta novela da vida real.
Hoje com o coração cheio de alegria comemoramos o Octogésimo terceiro aniversário desta escola que já ganhou em primeiro lugar em matéria de “tradição e cultura”.Trago um caloroso parabéns pela grande data que hoje esta sendo festejada, e aliamos nossa alegria ao contentamento de todos vocês, sinto que na proporção que o tempo vai passando esta equipe vai firmando-se no conceito de coletividade e carinho dos palmarinos, não pela imponência de suas linhas, mas no sentido de todo trabalho desenvolvido e prestado através de mais de oito décadas, trabalho este que transformou-se em benefício das centenas de alunos(destaco aqui o professor Carlos Senna) que foi aluno nosso desde a sua infância nas séries iniciais até o Curso médio  Normal, quando tornou-se mais um educador em nossa cidade, hoje aos 27 anos, é professor concursado pela rede municipal e graduado em geografia pela UNEAL.
Prof. Salomé
Logo mediante todo esse sucesso e conquista, não
podíamos jamais deixar de prestar essa humilde homenagem a minha amada Escola Rocha Cavalcanti. Desejo de todo o meu coração que a forma dinâmica e participativa que esta escola tem em educar e formar professores e muito mais que isso, verdadeiros cidadãos, venha ser através do dia-a-dia e das atividades desenvolvidas a cada ano mais e mais reconhecida e aprovada por todos.”

                       Maria Salomé Ferreira de França
                             Professora e Pesquisadora



26 de abr de 2011

Parlamento Jovem...Integre-se nesta luta!

O Fórum de Combate à Corrupção de Alagoas (FOCCO-AL), composto de 31 entidades públicas e privadas, convida você para o PARLAMENTO JOVEM. Este projeto será implantado pelo FOCCO-AL em todos os municípios alagoanos. O objetivo do projeto é capacitar os jovens, desenvolvendo uma consciência crítica sobre a participação popular no acompanhamento das políticas públicas municipais, principalmente nas áreas de educação, merenda escolar, saúde, assistência social, criança e adolescente, dentre outras.
O Parlamento Jovem será composto por alunos da faixa etária de 16 a 22 anos, de escolas públicas e particulares. O número de parlamentares jovens será igual ao número de vereadores. A escolha dos alunos será feita em cada escola participante. Cada escola fará sua eleição; os mais votados de todas as escolas concorrerão para a escolha do Parlamento Jovem.
O Parlamento Jovem será treinado por autoridades e professores capacitados. Os palestrantes, todos voluntários, são Professores Universitários, Advogados, Delegados da PF, Promotores Públicos, Procuradores da República, Juízes, Advogados da União, Auditores da Receita, da Sefaz, do TCU, Procuradores de Estado e do Trabalho, dentre outros. O Parlamento Jovem entenderá as principais funções de um vereador: criar leis e fiscalizar a aplicação do dinheiro público.
 
PARTICIPE. Seja diferente. Faça sua própria história. Sua família e a sociedade vão se orgulhar de você. Mostre a força positiva do J O V E M. Procure o Grêmio ou a Direção/Coordenação da sua escola. A participação de sua escola depende de você.

24 de abr de 2011

Pesquisa sobre população com diploma universitário deixa o Brasil em último lugar entre os emergentes

Para concorrer em pé de igualdade com as potenciais mundiais, o Brasil terá que fazer um grande esforço para aumentar o percentual da população com formação acadêmica superior. Levantamento feito pelo especialista em análise de dados educacionais Ernesto Faria, a partir de relatório da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), coloca o Brasil no último lugar em um grupo de 36 países ao avaliar o percentual de graduados na população de 25 a 64 anos.
Os números se referem a 2008 e indicam que apenas 11% dos brasileiros nessa faixa etária têm diploma universitário. Entre os países da OCDE, a média (28%) é mais do que o dobro da brasileira. O Chile, por exemplo, tem 24%, e a Rússia, 54%. O secretário de Ensino Superior do Ministério da Educação (MEC), Luiz Cláudio Costa, disse que já houve uma evolução dessa taxa desde 2008 e destacou que o número anual de formandos triplicou no país na ultima década.
“Como saímos de um patamar muito baixo, a nossa evolução, apesar de ser significativa, ainda está distante da meta que um país como o nosso precisa ter”, avalia. Para Costa, esse cenário é fruto de um gargalo que existe entre os ensinos médio e o superior. A inclusão dos jovens na escola cresceu, mas não foi acompanhada pelo aumento de vagas nas universidades, especialmente as públicas. “ Isso [acabar com o gargalo] se faz com ampliação de vagas e nós começamos a acabar com esse funil que existia”, afirmou ele.
Costa lembra que o próximo Plano Nacional de Educação (PNE) estabelece como meta chegar a 33% da população de 18 a 24 anos matriculados no ensino superior até 2020. Segundo ele, esse patamar está, atualmente, próximo de 17%. Para isso será preciso ampliar os atuais programas de acesso ao ensino superior, como o Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni), que aumentou o número de vagas nessas instituições, o Programa Universidade para Todos (ProUni), que oferece aos alunos de baixa renda bolsas de estudo em instituições de ensino privadas e o Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (Fies), que permite ao estudantes financiar as mensalidades do curso e só começar a quitar a dívida depois da formatura.
“O importante é que o ensino superior, hoje, está na agenda do brasileiro, das famílias de todas as classes. Antes, isso se restringia a poucos. Observamos que as pessoas desejam e sabem que o ensino superior está ao seu alcance por diversos mecanismos", disse o secretário. Os números da OCDE mostram que, na maioria dos países, é entre os jovens de 25 a 34 anos que se verifica os maiores percentuais de pessoas com formação superior. Na Coreia do Sul, por exemplo, 58% da população nessa faixa etária concluiu pelo menos um curso universitário, enquanto entre os mais velhos, de 55 a 64 anos, esse patamar cai para 12%. No Brasil, quase não há variação entre as diferentes faixas etárias.
O diagnóstico da pesquisadora da Universidade de São Paulo (USP) e especialista no tema Elizabeth Balbachevsky é que essa situação é reflexo dos resultados ruins do ensino médio. Menos da metade dos jovens de 15 a 17 anos está cursando o ensino médio. A maioria ou ainda não saiu do ensino fundamental ou abandonou os estudos. “Ao contrário desses países emergentes, a população jovem que consegue terminar o ensino médio no Brasil [e que teria condições de avançar para o ensino superior] é muito pequena”.
Como 75% das vagas em cursos superiores estão nas instituições privadas, Elizabeth defende que a questão financeira ainda influencia o acesso. “Na China, as vagas do ensino superior são todas particulares. Na Rússia, uma parte importante das matrículas é paga, mas esses países desenvolveram um esquema sofisticado de financiamento e apoio ao estudante. O modelo de ensinos superior público e gratuito para todos, independentemente das condições da família, é um modelo que tem se mostrado inviável em muitos países”, comparou ela.
A defasagem em relação outros países é um indicador de que os programas de inclusão terão que ser ampliados. Segundo Costa, ainda há espaço – e demanda – para esse crescimento. Na última edição do ProUni, por exemplo, 1 milhão de candidatos se inscreveram para disputar as 123 mil bolsas ofertadas. Elizabeth sugere que os critérios de renda para participação no programa sejam menos limitadores, para incluir outros segmentos da sociedade.
“Os dados mostram que vamos ter que ser muito mais ágeis, como estamos sendo, fazer esse movimento com muita rapidez porque, infelizmente, nós perdemos quase um século de investimento em educação. A história nos mostra que a Europa e outras nações como os Estados Unidos e, mais recentemente, os países asiáticos avançaram porque apostaram decididamente na educação. O Brasil decidiu isso nos últimos anos e agora trabalha para saldar essa dívida”, disse a pesquisadora.

Fonte: Agencia Brasil

21 de abr de 2011

Origem da Semana Santa

A Semana Santa é a ocasião em que é celebrada a paixão de Cristo, sua morte e ressurreição.

 

Jesus Cristo não aceitava o tipo de vida que seu povo levava, o governo cobrando altos impostos, riquezas extremas para uns e miséria para outros.
Ao chegar a Jerusalém, foi aclamado pela população como sendo o Messias, o Rei, mas os romanos não acreditavam que ele era filho de Deus, duvidavam dos seus sábios ensinamentos, de sua missão para salvar a humanidade, então passaram a persegui-lo.
Jesus tinha conhecimento de tudo que iria passar, da peregrinação que o levaria à morte. Convidou, então, doze homens a quem chamou de discípulos, para levar seus ensinamentos às pessoas.
Porém, Judas Escariotes, um desses apóstolos, também duvidou que Ele era um enviado de Deus, entregando-lhe para os romanos, que o capturaram.
Em seguida, fizeram Jesus passar pela via sacra, amarrado à sua cruz, carregando-a por um longo trecho, sendo torturado, levando chibatadas dos soldados, sendo caçoado covardemente até sofrer a crucificação e a morte.
Em 325 d.C, o Concílio de Niceia, presidido pelo Imperador Constantino e organizado pelo Papa Silvestre I, fabricou e consolidou a doutrina da Igreja Católica, como a escolha dos livros sagrados e as datas religiosas. Ficou decidido também que a Semana Santa seria comemorada por uma semana (do domingo de ramos ao domingo de Páscoa). Há relatos de festas em homenagem aos últimos dias de Cristo, pouco tempo depois de sua morte. Porém comemoravam dois dias apenas (sábado de aleluia e domingo da ressureição). Nesse Concílio também foi adotado o Catolicismo como religião oficial do Império Romano.
Cada dia da comemoração faz referência a um aontecimento: o domingo de ramos refere-se à entrada do Rei, o Messias, na cidade de Jerusalém, para comemorar a páscoa judaica. Na segunda-feira seguinte foi o dia em que Maria ungiu Cristo; na terça-feira foi o dia em que a figueira foi amaldiçoada; a quarta-feira é conhecida como o dia das trevas; a quinta-feira foi a última ceia com seus apóstolos, mais conhecida como Sêder de Pessach. A sexta-feira foi o dia do seu sofrimento, sua crucificação. Sábado é conhecido como o dia da oração e do jejum, onde os cristãos choram pela morte de Jesus. E, finalmente, o domingo de páscoa, o dia em que ressuscitou e encheu a humanidade de esperança de vida eterna.

Fonte: Brasilescola.com


18 de abr de 2011

A importância da parceria família e escola

A família e a escola formam uma equipe. É fundamental que ambas sigam os mesmos princípios e critérios, bem como a mesma direção em relação aos objetivos que desejam atingir.
Ressalta-se que mesmo tendo objetivos em comum, cada uma deve fazer sua parte para que atinja o caminho do sucesso, que visa conduzir crianças e jovens a um futuro melhor.
O ideal é que família e escola tracem as mesmas metas de forma simultânea, propiciando ao aluno uma segurança na aprendizagem de forma que venha criar cidadãos críticos capazes de enfrentar a complexidade de situações que surgem na sociedade.
Existem diversas contribuições que tanto a família quanto a escola podem oferecer, propiciando o desenvolvimento pleno respectivamente dos seus filhos e dos seus alunos. Alguns critérios devem ser considerados como prioridade para ambas as partes. Como sugestões seguem abaixo alguns deles:

Família


• Selecionar a escola baseado em critérios que lhe garanta a confiança da forma como a escola procede diante de situações importantes;
• Dialogar com o filho o conteúdo que está vivenciando na escola;
• Cumprir as regras estabelecidas pela escola de forma consciente e espontânea;
• Deixar o filho a resolver por si só determinados problemas que venham a surgir no ambiente escolar, em especial na questão de socialização;
• Valorizar o contato com a escola, principalmente nas reuniões e entrega de resultados, podendo se informar das dificuldades apresentadas pelo seu filho, bem como seu desempenho.

Escola


• Cumprir a proposta pedagógica apresentada para os pais, sendo coerente nos procedimentos e atitudes do dia-a-dia;
• Propiciar ao aluno liberdade para manifestar-se na comunidade escolar, de forma que seja considerado como elemento principal do processo educativo;
• Receber os pais com prazer, marcando reuniões periódicas, esclarecendo o desempenho do aluno e principalmente exercendo o papel de orientadora mediante as possíveis situações que possam vir a necessitar de ajuda;
• Abrir as portas da escola para os pais, fazendo com que eles se sintam à vontade para participar de atividades culturais, esportivas, entre outras que a escola oferecer, aproximando o contato entre família-escola;
 • É de extrema importância que a escola mantenha professores e recursos atualizados, propiciando uma boa administração de forma que ofereça um ensino de qualidade para seus alunos.
A parceria da família com a escola sempre será fundamental para o sucesso da educação de todo indivíduo. Portanto, pais e educadores necessitam ser grandes e fiéis companheiros nessa nobre caminhada da formação educacional do ser humano.

Fonte: educador.brasilescola.com




15 de abr de 2011

Piso salarial do magistério é constitucional, diz o Supremo

O Supremo Tribunal Federal (STF) considera constitucional o piso salarial nacional do magistério, atualmente de R$ 1.187,14. A decisão da Corte, tomada na tarde de quarta-feira, 6, decorre da análise da Ação Direta de Inconstitucionalidade nº 4.167, ajuizada em outubro de 2008 pelos governos do Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Ceará.
Por oito votos a um, o Supremo considerou a constitucionalidade da lei e manteve o entendimento de que o valor deve ser considerado como vencimento básico. A Lei nº 11.738, de 16 de julho de 2008 (Lei do Piso), prevê a adaptação gradual de estados e municípios à remuneração do professores, além de suplementação da União, em caso de necessidade.
Dos 5.565 municípios brasileiros, 29 pediram a suplementação em 2009 e 40, em 2010. Para este ano, a previsão orçamentária da União destina R$ 800 milhões à suplementação. Os argumentos a favor da constitucionalidade foram apresentados ao STF pelo advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, durante o julgamento.
Outra cláusula da Lei do Piso a ser submetida a julgamento do Supremo é  o parágrafo 4º do artigo 2º — determina o cumprimento de no máximo dois terços da carga horária do magistério em atividades em sala de aula: “§ 4º  Na composição da jornada de trabalho, observar-se-á o limite máximo de 2/3 (dois terços) da carga horária para o desempenho das atividades de interação com os educandos.” Na análise de quarta-feira, não houve quorum necessário de seis votos para a declaração de constitucionalidade ou de inconstitucionalidade da norma.

Fonte: portal.mec.gov.br

12 de abr de 2011

Como apresentar um trabalho na frente de toda a sala?

Existem pessoas que não conseguem falar bem quando estão com toda a atenção voltada para si. No período escolar são inúmeras as vezes que o aluno tem que apresentar um trabalho, uma maquete, um exercício ou outras atividades que o coloca sobre evidência aos demais que estão presentes na sala de aula. Como lidar com a insegurança e a timidez ao falar?
Os sinais quando se está prestes a falar para outras pessoas são sempre os mesmos: frio na barriga; suor, principalmente nas mãos; vontade de urinar; insegurança e voz trêmula. Para conseguir lidar com essas situações é importante seguir algumas regrinhas básicas:
1-Dominar o assunto a ser apresentado, ler o material não é bom;
2-Buscar a melhor maneira de se apresentar à frente, de pé ou sentado;
3-Falar de forma clara com o vocabulário adequado para a situação (para que o objetivo seja atingido);
4-Determinar um tempo para a apresentação;
5-Falar com boa intensidade e velocidade, nem alto e nem baixo, nem devagar e nem rápido;
6-Mostrar entusiasmo na apresentação para despertar interesse daqueles que ouvem para o que é apresentado;
7-Não tente se desculpar se por acaso der algum deslize e nem se justifique, apenas corrija;
8-Olhar diretamente para as pessoas para que inspire confiança;
9-Busque materiais de apoio que auxilie na lembrança do que deve ser falado;
10-Evitar olhar para colegas que buscam tirar sua concentração;
11-Ao final, enfatizar os pontos principais apresentados e por fim;
12-Esclarecer dúvidas que possam existir.

Apesar de seguir à risca o que está descrito acima, poderá ainda haver o aparecimento do nervosismo e do friozinho na barriga, porém insegurança não.

Fonte: mundoeducação.com.br

9 de abr de 2011

Violência no Brasil, outro olhar

A violência se manifesta por meio do abuso da força, da tirania, da opressão. Ocorre do constrangimento exercido sobre alguma pessoa para obrigá-la a fazer ou deixar de fazer um ato qualquer. Existem diversas formas de violência, tais como as guerras, conflitos étnico-religiosos e banditismo.
A violência, em seus mais variados contornos, é um fenômeno histórico na constituição da sociedade brasileira. Desde a escravidão, primeiro com os índios e depois, e especialmente, a mão de obra africana, a colonização mercantilista, o coronelismo, as oligarquias antes e depois da independência, tudo isso somado a um Estado caracterizado pelo autoritarismo burocrático, contribuiu enormemente para o aumento da violência que atravessa a história do Brasil.
Diversos fatores colaboram para aumentar a violência, tais como a urbanização acelerada, que traz um grande fluxo de pessoas para as áreas urbanas e assim contribui para um crescimento desordenado e desorganizado das cidades. Colaboram também para o aumento da violência as fortes aspirações de consumo, em parte frustradas pelas dificuldades de inserção no mercado de trabalho.
Por outro lado, o poder público, especialmente no Brasil, tem se mostrado incapaz de enfrentar essa calamidade social. Pior que tudo isso é constatar que a violência existe com a conivência de grupos das polícias, representantes do Legislativo de todos os níveis e, inclusive, de autoridades do poder Judiciário. A corrupção, uma das piores chagas brasileiras, está associada à violência, uma aumentando a outra, faces da mesma moeda.
As causas da violência são associadas, em parte, a problemas sociais como miséria, fome, desemprego. Mas nem todos os tipos de criminalidade derivam das condições econômicas. Além disso, um Estado ineficiente e sem programas de políticas públicas de segurança, contribui para aumentar a sensação de injustiça e impunidade, que é, talvez, a principal causa da violência.
A violência se apresenta nas mais diversas configurações e pode ser caracterizada como violência contra a mulher, a criança, o idoso, violência sexual, política, violência psicológica, física, verbal, dentre outras.
Em um Estado democrático, a repressão controlada e a polícia têm um papel crucial no controle da criminalidade. Porém, essa repressão controlada deve ser simultaneamente apoiada e vigiada pela sociedade civil.
Conforme sustenta o antropólogo e ex-Secretário Nacional de Segurança Pública , Luiz Eduardo Soares: "Temos de conceber, divulgar, defender e implantar uma política de segurança pública, sem prejuízo da preservação de nossos compromissos históricos com a defesa de políticas econômico-sociais. Os dois não são contraditórios" .
A solução para a questão da violência no Brasil envolve os mais diversos setores da sociedade, não só a segurança pública e um judiciário eficiente, mas também demanda com urgência, profundidade e extensão a melhoria do sistema educacional, saúde, habitacional, oportunidades de emprego, dentre outros fatores. Requer principalmente uma grande mudança nas políticas públicas e uma participação maior da sociedade nas discussões e soluções desse problema de abrangência nacional.

Orson Camargo
Colaborador Brasil Escola
Graduado em Sociologia e Política pela Escola de Sociologia e Política de São Paulo – FESPSP
Mestre em Sociologia pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP

Fonte: Brasilescola.com

8 de abr de 2011

PARA REFLETIR...



 "Não existe liberdade para expressar o amor, quando estamos presos a práticas oriundas de fanatismos  religiosos ou vinculos doutrinários. Creio que a PAZ ainda será a melhor escolha que muitos farão nesse país. Jesus Cristo foi, é e será a única e maior expressão de amor provado com a própria vida". Nosso blog está em LUTO pelas Crianças do RJ.
                                                             Prof. Carlos Senna.

6 de abr de 2011

Homofobia? Até quando?

AGORA PASMEM E QUE SEJAMOS CAPAZES DE NOS INDIGNAR!

Esta semana me deparei com o relato de homofobia do qual foi vítima um rapaz, aluno de nossa "querida" cidade, União dos Palmares, em espaços educacionais, a indignação ainda me toma por completa, e sem dúvida, eu, como demais colegas de trabalho continuaremos nos mobilizando para que pessoas preconceituosas não se vangloriem de sua podre e deplorável condição de deficiente, com sua pseudo-perfeição.

Essa pessoas não sabem que sua falsa brancura, moralidade e verdades, que essa sua deficiência de personalidade distorcem, mutilam e mancham da pior forma possível a sua condição humana ao julgarem e inferiorizarem os seus pares, isso mesmo, "pares", porque somos filhos da mesma terra, da mesma gente, portanto, não somos tão diferentes assim.

E o mais agravante é quando, ouvimos relatos de que educadores, a exemplo da pessoa envolvida no episódio acima demonstra de forma tão naturalizada e prenhe de superioridade, atitudes de desvalorização de jovens com os quais temos a obrigação de conduzir na busca da autonomia.

Mas è sem dúvida, por meio da ousadia de jovens que lutam pelo respeito, e sujeitos que conseguem se indignar e lutar contra toda e qualquer forma de discirminação, que conseguiremos superar a intolerância e até a tolerância, porque buscamos acima de tudo respeito. E para os que resisitirem a convivência respeitosas entre os seres, um pouco de educação e alguns processos judiciais não faz mal.

                                                                                             Prof. Márcia Suzana

Fonte: JMarcelo fotos

3 de abr de 2011

Compreendendo questões sobre o HIV.

Ainda sem perspectiva de cura, a Aids é uma das doenças que mais assusta o mundo. Não há nem remédio para a eliminação do vírus HIV nem vacina que torne as pessoas resistentes a ele.
Por outro lado, a prevenção é relativamente simples. O médico e escritor Ayrton Marcondes, autor de "Biologia e Cidadania" (Editora Escala), fala sobre doença, prevenção e outras dúvidas freqüentes sobre a doença.

O que significa a sigla Aids?

Aids quer dizer Acquired Immune-Deficiency Syndrome, expressão inglesa que pode ser traduzida por síndrome da imunodeficiência adquirida. Síndrome é conjunto de sinais e sintomas que constituem o quadro geral de uma doença. Imunodeficiência é a incapacidade de organismo de se defender de agentes infecciosos. Adquirida quer dizer que a AIDS pode ser contraída por contato com uma pessoa contaminada.

A Aids é recente? Há mais homens que mulheres infectados?

Sim, a doença era desconhecida até algumas décadas atrás. A Aids espalhou-se pelo mundo a partir do início dos anos 1980. No Brasil, após período inicial com número crescente de casos, a epidemia vem mostrando, desde 2002, tendência à estabilização. Há poucos anos o número de homens doentes era muito maior que o de mulheres com a doença. Dados de 2006 mostram aproximação do número de casos da doença entre os dois sexos.

Qual a diferença entre Aids e HIV?

Aids é a doença, e HIV é o vírus que a causa. A sigla quer dizer Human Immunodeficiency Vírus, ou, em português, vírus da imunodeficiência humana.

Como esse vírus age no organismo?

O alvo do HIV são os linfócitos T auxiliadores, que fazem parte do sistema imunológico - como se fossem soldados de defesa contra doenças. O HIV consegue invadir esses linfócitos e transforma o DNA desses "soldados" em DNA viral. Cada vez que essa célula se dividir o vírus se duplicará juntamente com o DNA viral.

E quais os sintomas da Aids?

Inicialmente, febre, perda de peso e aparecimento de gânglios inchados (ínguas); dores nas articulações, músculos e garganta; mal-estar geral e aparecimento de manchas vermelhas no corpo. Em alguns pacientes verificam-se ainda manifestações como dor de cabeça, alterações visuais e raramente, convulsões. Esses sintomas regridem espontaneamente, mas o vírus da AIDS persiste dentro de linfócitos e macrófagos, no sistema nervoso e em outras células do organismo. Destes tecidos o HIV passa lentamente para outras células.

E então?

Após algum tempo de infecção, a resistência do organismo começa a ser vencida. Surgem então sinais e sintomas relacionados ao vírus da Aids como febre diária, perda de peso, fadiga, suores noturnos e aumento persistente dos gânglios linfáticos. Em conseqüência da instalação do vírus no cérebro, podem surgir distúrbios de memória, alterações da fala e tremores.

Quanto tempo demora para a doença se manifestar?

Muitas vezes, a pessoa está infectada, mas o vírus está inativo. Tal situação prevalece até que, provavelmente numa ocasião de sobrecarga do organismo (doenças, cirurgia, gravidez), o HIV começa a se replicar.

O que são as "doenças oportunistas"?

Como o HIV destrói a capacidade defesa do organismo, algumas doenças "aproveitam" que o corpo está mais fraco e se instalam - por isso chamamos de "oportunistas". É o caso da Candida albicans, fungo causador da candidíase, ou "sapinho", comum em recém-nascidos e pessoas idosas ou debilitadas. Nos portadores de AIDS, o "sapinho" se caracteriza pelo aparecimento de extensas placas de aspecto esbranquiçado na língua e na cavidade oral e que às vezes chegam à faringe e ao esôfago. A Candida albicans pode também ser responsável por corrimentos vaginais, infecção da mucosa do pênis e das vias urinárias. Também é comum o aparecimento de herpes simples, uma virose que se manifesta pelo aparecimento de vesículas dolorosas nos lábios, região genital, ao redor do ânus e, raramente, espalhadas pelo corpo. Embora a infecção pelo vírus do herpes possa ocorrer em qualquer pessoa, em quem está infectado pelo vírus da Aids ela se manifesta com características mais dolorosas e persistentes.

Por que a Aids é tão temida?

Porque essas doenças oportunistas são umas das que podem atingir o doente. O quadro pode evoluir para freqüentes pneumonias, tuberculose, infecções por bactérias e fungos. A Aids também se relaciona com cânceres, como os linfomas, a doença de Hodgkin e o sarcoma de Kaposi. Este último é um tipo raro de tumor de vasos sangüíneos que se manifesta na pele onde surgem formações roxas ou avermelhadas. Pode também surgir nos gânglios, na boca, no estômago e no intestino.

Qual é o tratamento da doença?

O tratamento é feito com drogas que agem em etapas diferentes do ciclo do HIV. Mais recentemente têm sido testados inibidores da enzima que incorpora o vírus ao DNA das células humanas.

Como acontece a transmissão da Aids?

Principalmente por contato sexual, pela transfusão de sangue ou transplante de órgãos; pelo uso comum de agulhas e seringas; e de mãe portadora do HIV para o feto através da placenta ou, após o nascimento, pela amamentação.

Você pode explicar melhor a transmissão sexual?

O HIV espalha-se por via sanguínea e concentra-se nas secreções do corpo, principalmente no esperma e nos líquidos vaginais. Para que haja transmissão é necessário que um indivíduo contaminado passe o vírus da AIDS diretamente a outro indivíduo sadio. Por isso, a transmissão não acontece por contato social com pessoas infectadas pelo HIV.

Existe prevenção contra a Aids?

Além do uso de preservativos nas relações sexuais, outros meios são fundamentais na prevenção da AIDS: uso de seringas descartáveis e materiais cirúrgicos esterilizados; evitar amamentação por parte de mães infectadas pelo HIV; controle de doadores de sangue e de bancos de órgãos para transplantes; evitar contato com ferimentos de pessoas doentes pois seu sangue contém o HIV.

Fonte: educação.uol.com.br

1 de abr de 2011

Resultado da enquete postada em março/2011

Nosso BLOG durante o mês de março publicou uma enquete que levava os amigos internautas a responder a seguinte pergunta: "O que você achou do novo salário mínimo brasileiro?" Alcançamos um resultado que nos levou a refletir muito neste aspecto, onde o mesmo nos faz perceber uma certa indignação e insatisfação dos nossos internautas e do povo brasileiro no geral. Quando o assunto é salário mínimo no Brasil, entende-se que R$ 545,00 ainda deixa muito a desejar, e o pior, não dar a nenhum cidadão brasileiro as dignas condições de vida que todos merecem e tem direito, principalmente quando se trabalha honestamente para adquirir tal recompensa.Contudo o Blog Democratizando o Saber, vem em público agradecer a você que durante o mês de março contribuiu com seu voto sério e honesto, que só fortaleceu o nosso trabalho. Obrigado a todos.

 Resultado da enquete:
 
 Otimo- Nenhum voto
 Bom-   06 votos
 Péssimo- 14 votos
 Total de votos: 20 votos