17 de fev de 2012

A Origem do termo "samba"



Por: Rainer Gonçalves Sousa

Imagine um compositor sentado à mesa. Cercado por seus instrumentos musicais, papéis e partituras ele gasta horas a fio tentando criar algo novo. Boa parte de seu trabalho já está pronto. Os instrumentos utilizados, o conjunto de notas usuais e, até mesmo, as roupas para a apresentação estão todos definidos. No entanto, falta um último detalhe que o perturba: “Que nome colocar nesse novo gênero musical que acabei de inventar?”
Essa situação seria, no mínimo, estranha. Até hoje, não se tem notícia de algum compositor ou artista que planejou os mínimos detalhes da criação de um novo tipo de música, chegando até a antecipar seu próprio nome. Usualmente, os gêneros musicais surgem com o passar dos anos, com a experimentação de diferentes músicos e contextos históricos bastante específicos. Um exemplo bem claro desse gradual processo de criação pode ser visto com a criação do samba.
Ao contrário do que se pensa, durante muito tempo, o termo “samba” não fazia referência a um estilo musical específico. Nesse período – entre os fins do século XIX e o início do século XX – as pessoas não costumavam “escutar samba”, elas “iam ao samba”. Para entendermos um pouco melhor devemos compreender um pouco da história dos escravos e da cidade do Rio de Janeiro no século XIX.
Nesse período, percebemos a ocorrência de dois importantes fatos históricos: a Abolição da Escravatura, em 1888, e, no ano seguinte, a Proclamação da República. Com a abolição dos escravos, um grande contingente da população negra do Brasil abandonou o campo e passou a buscar meios de sobrevivência nos centros urbanos do país. Muitos desses ex-escravos começaram a sair das fazendas da região norte-nordeste em direção à cidade do Rio de Janeiro.

Os negros que fizeram esse trajeto chegaram em uma cidade despreparada para receber esse novo contingente populacional. Dessa forma, os negros passaram a ocupar bairros mais afastados ou se instalaram nos cortiços espalhados pela cidade. Ao mesmo tempo, as dificuldades para se arranjar emprego e o problema da discriminação social foram dois fatores que promoveram a solidarizarão entre essas comunidades socialmente e economicamente excluídas.
Uma das formas mais comuns pelas quais os negros reafirmavam seus laços de amizade e cooperação ocorria durante as festas nas casas das “tias” ou das “vovós”. As casas das “tias” e das “vovós” eram grandes pontos de encontro daquelas comunidades. Durante essas festas, ocorria a celebração de rituais religiosos, o oferecimento de variados pratos de comida e a execução de diferentes manifestações musicais. Usualmente, aqueles que freqüentavam essas festam diziam que freqüentavam o “samba” na casa da vovó (ou da titia).
Dessa maneira, antes de surgir a música “samba” o termo era sinônimo de festa. Outros pesquisadores do assunto ainda relatam que o termo “samba” tem origem no termo africano “semba”, que era comumente utilizado para designar um tipo de dança onde os dançarinos aproximam seus ventres fazendo uma “umbigada”. Segundo o dicionário Aurélio o termo originário ainda significa “estar animado” ou “pular de alegria”.

Em 1916, Donga, foi considerado o primeiro músico a registrar a letra e a canção de um samba. Mesmo assim, até meados da década de 30 os componentes estéticos e musicais do samba sofreram grandes transformações. Ainda no início daquela década, o irreverente sambista Noel Rosa perguntou a um jovem compositor que lhe entregara uma letra: "Isso é samba ou aquela outra coisa que a Carmen Miranda canta?”. Com isso, podemos perceber que o samba teve diferentes significados e, enquanto música sofreu muitas transformações até chegar à forma contemporânea.


10 de fev de 2012

Uneal abre inscrições para vestibular do PROESP/UNEAL 2012

Programa é destinado a servidores públicos de prefeituras e órgãos públicos que aderiram ao programa

Por: Clau Soares

 
O Programa Especial para Formação de Servidores da Universidade Estadual de Alagoas (Proesp/Uneal) está com inscrições abertas para o vestibular, de 06 de fevereiro a 03 de março do ano corrente. Os servidores interessados em concorrer a uma das 2.860 vagas ofertadas, devem acessar o site http://www.cenfap.com.br/uneal/index.php e efetuar inscrição. A taxa de inscrição custa R$ 35. Os organizadores recomendam que o edital seja lido atentamente.
Os cursos do Proesp/Uneal serão ofertados nos campi da instituição nas cidades de Arapiraca, Santana do Ipanema, Palmeira dos Índios, São Miguel dos Campos e União dos Palmares, além dos polos nas cidades de Matriz do Camaragibe, Delmiro Gouveia, Viçosa, Boca da Mata, Maceió, Penedo e Teotônio Vilela.

O servidor público poderá optar pelo curso de Administração Pública, Geografia, História, Letras, Pedagogia, Matemática, Ciências Biológicas ou Química. Somente poderão realizar suas matrículas os servidores públicos efetivos dos municípios que aderiram ao Programa.
O Proesp é uma iniciativa da Universidade Estadual de Alagoas que visa qualificar os servidores públicos municipais, estaduais e federais, além de contribuir com a formação em nível superior e de pós-graduação de técnico-administrativos e professores.

Mais informações com as prefeituras e órgãos onde o servidor trabalha e no telefone 82 3338 4185 (com CENFAP), ou 82 3521 3019 (na Uneal).

Quem aderiu: Santana do Mundaú, União dos Palmares,, São Sebastião, Olho D'Água das Flores, Igací, Jequiá da Praia, Pariconha, Limoeiro de Anadia, Mar Vermelho, Paulo Jacinto, Santana do Ipanema, Boca da Mata, Joaquim Gomes, Tanque D’Arca, Viçosa, São José da Laje, São José da Tapera, Roteiro, Estrela de Alagoas, Pariconha, São Miguel dos Campos, Novo Lino, Junqueiro, Teotônio Vilela e Arapiraca, além da Uneal.
Segundo o representante institucional, James Alarcão, os prefeitos que não aderiram ao programa hoje têm até o dia 27 de fevereiro para assinar o termo de adesão e encaminhar à Prograd, em Arapiraca. O documento está disponível para download no site da Uneal.
O gestor pode ainda solicitar a presença de um representante da Universidade para fazer uma visita ao município onde o termo deverá ser assinado. Para tanto, deve telefonar para 082 3521 3019.




6 de fev de 2012

A origem da vida no ensino fundamental

Compreender as diferenças entre a abiogênese e biogênese, a atmosfera da Terra primitiva, os primeiros seres vivos, e os cientistas envolvidos nesta descoberta são temáticas que devem ser bem trabalhadas em sala de aula, pois permitirão compreender de forma mais clara outros assuntos da Biologia, como evolução, sistemática, genética e zoologia; e um pouco de nossas origens. Assim, sugiro alguns enfoques e atividades que podem ser adotados pelo professor, no ensino da origem da vida.

Retomando a algumas centenas de anos antes de Cristo, Aristóteles já buscava explicações para a origem do mundo, estas que fossem além de argumentos envolvendo deuses e mitologias. Quanto a isso, este filósofo teve grande participação na formulação da teoria da abiogênese, fazendo com que esta tivesse grande aceitação, durante tempo considerável. Em 1860, Pasteur pôde refutar esta teoria, com seu experimento com os frascos com “pescoço de cisne”.

Décadas mais tarde, Oparin enunciou uma teoria que sugeria que o surgimento da vida se deu por meio de uma evolução química. Para testar suas ideias, Miller, orientado por Urey, criou um dispositivo que recriava as possíveis condições da Terra primitiva, e tendo como resultado a formação de substâncias orgânicas simples.

Foi discutida, também, uma teoria que pontuava que a vida poderia ter vindo de outros planetas: a panspermia cósmica. Proposta no fim do século XIX, tem nomes como Hoyle, Wickramasinghe, Circo, Orle, Orgel e Crick.


DICA: 

O professor pode reforçar a temática, recriando os principais experimentos desenvolvidos por estes pesquisadores; frisando a relação entre o termo “pasteurização” e os experimentos de Pasteur; explicando a importância dos aminoácidos e o porquê da presença destas moléculas indicar que a origem da vida tem origem química; o motivo pelo qual podemos afirmar como eram os primeiros seres vivos quanto à nutrição; o surgimento do gás oxigênio e o que a derrubada da teoria da abiogênese causou na sociedade e no meio científico.

 

Fonte: http://brasilescola.com/