28 de jun de 2011

Um alerta a Juventude

Cerca de 2,5 mil jovens contraem o HIV diariamente no mundo, revela Unicef

(Efe) Johanesburgo - Cerca de 2,5 mil jovens contraem o vírus do HIV diariamente no mundo todo, segundo um relatório do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), apresentado nesta quarta-feira em Johannesburgo.
Segundo o documento, elaborado pelo Unicef em conjunto com outras agências das Nações Unidas e o Banco Mundial, 41% dos contágios são entre pessoas de 15 a 24 anos, o que situa este grupo como o de maior risco, com um número de entre 4,3 milhões e 5,9 milhões de casos no mundo.
Calcula-se que cerca de 60% dos jovens soropositivos sejam mulheres; um número que se eleva para 72% na África Subsaariana, a região mais afetada do mundo, segundo o relatório publicado pelo Unicef.
"Para muitas mulheres, a infecção é resultado de maus-tratos, exclusão e estupros", assegurou o diretor-executivo do Unicef, Anthony Lake, através de comunicado divulgado pela imprensa.
Segundo os dados da Agência das Nações Unidas para a Aids (Unaids), incluídos no documento, a África do Sul e a Nigéria são os dois países do mundo com um maior número de casos entre jovens de 15 a 25 anos, com um número estimado em meio milhão de pessoas infectadas.
A África do Sul lidera a lista de novos contágios no mundo todo, com cerca de 190 mil novos soropositivos em 2009, segundo dados da Unaids, que revela que a maioria deles não sabe que tem a doença.
"É vital realizar testes antecipados. Nós nos propusemos a realizar 15 milhões de testes até o final de junho, e 11,9 milhões de sul-africanos já sabem se estão infectados ou não", explicou nesta quarta-feira durante a apresentação do relatório a diretora do departamento de Saúde da África do Sul.
Elhadj As Sy, diretor do Unicef para o leste e o sul da África, reconheceu que a aids "demonstrou ser a peste de nossas sociedades" e acrescentou que o relatório "não é nada agradável", mas revela o panorama que o mundo enfrenta.

Fonte: Site do Projovem

25 de jun de 2011

O que é viver em sociedade?




                         AS RELAÇÕES SOCIAIS, DIVERSIDADE e CONFLITOS

As relações sociais

Os seres humanos não conseguem viver isoladamente. No decorrer de nossas vidas, vamos desenvolvendo uma série de habilidades para nos relacionar com o mundo que nos cerca. Assim formamos o nosso jeito de ser, nos desenvolvemos intelectualmente e aprendemos a viver com outras pessoas, das quais necessitamos para concretizar nossos projetos.
A "descoberta" do mundo externo começa na família. A família é o primeiro grupo do qual cada um de nós participa. Depois, vem a escola. Esses dois grupos sociais influenciam bastante nossas vidas. Daí a importância deles na formação das pessoas.
Desde o nosso nascimento, várias pessoas passam a fazer parte de nossas vidas e com elas vamos desenvolvendo muitos tipos de relações. Relacionamo-nos por amizade, por motivos de estudo, para participar de associações de diversos tipos (moradores de um bairro ou de um condomínio; um clube), para desenvolver atividades profissionais,etc.

Sociedade civil

As relações entre as pessoas, entre os grupos sociais e as próprias pessoas e grupos formam a sociedade. É comum utilizar-se o termo sociedade civil para designar o conjunto de pessoas e grupos sociais (e suas relações) que compõem um país.
Esse conjunto de pessoas e grupos sociais está sujeito a normas e regras, que podem estar escritas ou não. As normas e regras compõem a cultura de uma sociedade. Mas há muitos outros elementos formadores da cultura: as crenças, as artes, a música, as formas de se produzirem mercadorias e de se relacionar com a natureza, a culinária, as maneiras de se transmitir conhecimento, entre outros.
Tudo isso está presente no espaço geográfico e as características desse espaço dependem das características culturais de uma determinada sociedade.

Solidariedade e conflitos

Nas relações sociais, desenvolvem-se, por diversos motivos, situações de solidariedade e de conflito. Os conflitos estão presentes nas relações entre as pessoas, seja porque elas são diferentes, seja porque têm objetivos e interesses diferentes.
Eles ocorrem também entre grupos sociais ou entre sociedades de países diferentes. Freqüentemente, esses conflitos são o resultado do desrespeito às diferenças entre grupos e sociedades, da intolerância, do fato de sociedades quererem se sobrepor a outras e explorá-las de alguma forma - essa situação foi uma constante ao longo da história da humanidade.

Diversidades socioculturais

Há diversos tipos de sociedade, cada qual com suas características, dependendo, principalmente, dos aspectos culturais de cada uma. Por exemplo, o povo Massai, que habita o sul do Quênia, no continente africano, dedica-se à criação de gado e à caça e vive em aldeias formadas por cabanas.
Seu modo de vida, seus costumes, tradições e diversões são bastante diferentes das sociedades na qual a maior parte das pessoas vive em cidades, consome, sobretudo, produtos industrializados, utiliza diversos meios de transporte, dedica-se a atividades que dependem de energia elétrica. As características que acabamos de descrever referem-se às chamadas sociedades urbano-industriais.
As características das sociedades urbano-industriais estão presentes, com certas variações culturais, em muitos países do mundo. Uma característica marcante dessas sociedades é a variedade dos meios de comunicação - televisão, rádio, jornal, revista, cinema, telefone, internet - e o papel que eles têm na difusão de informações, na formação ou transformação de hábitos e costumes, nas atividades profissionais, no lazer, na divulgação de idéias, no estudo etc.

As classes sociais

Por fim, não podemos deixar de destacar que, dentro de cada sociedade, também existem muitas diferenças. Elas são de diversos tipos, principalmente nas sociedades urbano-industriais - grupos de profissionais e de estudantes variados; pessoas que vivem no campo e outras que vivem nas cidades; entre outros. Uma diferença importante que existe nas sociedades refere-se às condições socioeconômicas.
Olhando para as paisagens, percebemos diferentes condições de moradia, de alimentação, de transporte, de acesso à cultura, ao lazer, à educação, e, tudo isso, depende do rendimento que as pessoas obtêm. Em função disso, temos diferentes classes sociais.
Nos países subdesenvolvidos, como o Brasil, as diferenças entre as classes sociais que têm maior renda e as que têm menor renda são muito grandes; além disso, os mais pobres não conseguem satisfazer as necessidades básicas de alimentação, saúde, educação, transporte, moradia etc.. Já nos países desenvolvidos, como a França, essas diferenças não são tão grandes e mesmo os que têm menor renda conseguem satisfazer as suas necessidades básicas.

Fonte: Uol Educação

22 de jun de 2011

Arraiá da Escola João Costa...

Apresentação dos alunos

Aconteceu na tarde do dia 16/06(quinta-feira)no pátio da Escola João Costa de Oliveira as comemorações das festas juninas com alunos e professores do turno vespertino das turmas de todo o ensino fundamental(1 ao 9 ano). A festa teve inicio as 14h e contou com a participação dos alunos que se apresentaram brilhantemente  com danças tradicionais como: coco de roda e fantástica quadrilha apresentada pelos alunos do 1 ano(Prof. Amanda) que surpreendeu a todos, alem dessas houve  outras apresentações.Tambem compareceram a festa os pais dos alunos que orgulhosos riam e se emocionavam  pousando para fotos ao lado de seus filhos...Foram horas de muiita alegria e animação!!! Parabens a toda equipe gestora da escola(Professores Cristina, Susete, Luis Paulo,Fabiana,Leninha...) como tambem a todos que fazem o enorme corpo docente da Escola Municipal João Costa de  Oliveira onde tem se tornado um lugar agradável e favorável ao compartilhamento do saber e do conhecimento. E que venha o próximo arraiá!!


 

18 de jun de 2011

"É evidente que está faltando dinheiro para a educação", diz ministro.

Fernando Haddad participa de audiência pública na Câmara dos Deputados.Comissão especial discute o Plano Nacional de Educação.

O ministro da Educação, Fernando Haddad, afirmou em encontro com deputados federais que está faltando recursos para a educação brasileira. Haddad participou de uma audiência pública na Câmara dos Deputados na comissão especial que analisa o Projeto de Lei 8035/10. O projeto cria o Plano Nacional de Educação, e prevê 20 metas a serem cumpridas pelo governo na área de educação no próximo decênio.

“Se dizia muito que o problema da educação não era recurso. Se não está faltando dinheiro para a educação é de se acreditar que eles [professores] estão todos muito bem remunerados. Tomamos o salário dos profissionais de nível superior que não atuam no magistério. Em 2009 o salário médio do magistério público era de 60% das outras profissões. É evidente que está faltando dinheiro para a educação, e uma variável que é chave para a sociedade é a remuneração. Colocamos uma meta, que é a meta 17, que equipara a remuneração de docentes ao de não docentes”, afirmou o ministro.

O ministro da Educação ainda afirmou que o valor proposto de investimentos em educação, de 7% do orçamento, tem uma lógica. Mesmo assim, ele afirmou que defende, pessoalmente, que os recursos fossem maiores. “Perguntar para um ministro da educação se ele é a favor de 7% ou 10% é covardia. É evidente que ele é a favor de mais. Mas os 7% têm uma lógica. Estamos falando de R$ 80 bilhões de reais ao ano, adicionais. Estamos falando de um orçamento que na nossa contabilidade suporta o que está no plano. E que foi uma proposta da presidente eleita. Essa pergunta [de aumento do índice]não tem de ser feita para mim."

Haddad prosseguu: “Descontada a inflação, o orçamento do MEC dobrou. Não há uma conta de chegada, foi 1% em cinco anos, 2% em 10. Os candidatos foram perguntados sobre isso em debates nacionais, com a presença de milhões de brasileiros. Eu gostaria de ser o ministro dos 10%, mas dos meus 4 para cima já conseguimos fazer muitas coisas neste país. Uma infinidade de ações foram possíveis com 1% do PIB, que são R$ 40 milhões. Então não foi um número chutado, foi um número discutido em campanha".

Fonte: Globo.com

 

15 de jun de 2011

SINTEAL: Campanha salarial de 2011

                    SERVIDORES da EDUCAÇÃO ACEITAM 10% DE REAJUSTE!


Fabiana Alexandre(Sinteal)
Hoje(15) por volta das 10h da manhã no pátio da Escola Municipal Dr. Mário Gomes de Barros em Uniao dos Palmares-AL, reuniu-se o Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Alagoas-(SINTEAL), juntamente com uma equipe de profissionais da educação inclusive a classe de docentes da rede municipal para discutirem e decidirem a proposta mínima e única de resjuste oferecida pelo governo, onde foi oferecido 10% em cima do salário atual e mais o retroativo referente ao  mês de maio. Na oportunidade tambem foi destacado e discutido entre todos um problema sério que vem revoltando a toda categoria principalmente os professores mais antigos, a questão da aposentadoria que injustiçadamente tem sido negada ou mesmo apresentado dificuldades com relação ao valor do salário justo e digno de cada um que tem seus 20,30 anos ou mais de sala de aula e que por desrespeito e irresponsabilidade de governos anteriores tem feito muitos professores ja com idade de se aposentarem estarem sujeitos a continuarem lecionando para não sofrer redução no salário na hora da aposentadoria, o que na minha opinião é injusto, desonesto e revoltante para aqueles que contribuem com competência e acima de tudo compromisso com a educação pública desse país.
Professores unidos e reunidos
Um outro assunto em pauta nessa reunião e que até ja virou polêmica e motivo de ansiedade na sociedade palmarina é o famigerado "concurso público municipal", a presidente Fabiana Alexandre destacou a necessidade urgente de se realizar o mesmo ainda esse ano, dado ao encharcamento ocorrido na folha de pagamento por haver muitas contratações e a superlotação de funcionários nas escolas, o que torna-se impossibilidade em garantir um melhor reajuste  alem de ser ilegalidade perante a lei.
O destaque: Prof. Cizino discursando


                                                               Editorial e fotos:  Prof. Carlos Senna

O construtivismo no espaço escolar

O construtivismo considerado como uma teoria que por certo tempo foi adotado por várias escolas e em algumas até os dias atuais, não pode ser considerado como um simples modismo.
Segundo Sastre, o construtivismo coloca que o verdadeiro conhecimento é adquirido através de uma elaboração, ou seja, uma construção de forma pessoal proveniente do desenvolvimento do pensamento atribuído a um significado, sendo relacionado e organizado com pensamentos anteriores.
O aprendizado adquirido através do construtivismo é tido como o mais semelhante a uma aventura intelectual. O modelo construtivista está centrado na produção do saber pelo aluno, sendo esses colocados à prova para modificá-los ou construir de forma inovadora.
O aluno ensaia, busca, propõe soluções, confronta-as com as de seus colegas, defende-as e as discute.
Sendo assim, vale ressaltar que ao optar pelo método construtivista no espaço escolar é necessário que o aluno inicialmente tenha uma espécie de guia, ou seja, um orientador educacional consciente da importância de respeitar o limite do aluno, evitando antecipar resultados e respostas, considerando que a criança apresenta potencial para realizar de forma coerente.
Tal conduta se faz necessária em virtude do construtivismo ter sido aplicado nas instituições escolares de forma vaga, sem um objetivo concreto a conquistar, resultando em situações nas quais os alunos eram expostos a atividades de forma solta, principalmente sem a orientação pedagógica, resultando muitas vezes no fracasso da evolução dos processos construtivos relacionados a novos aprendizados.

Fonte: mundoeducaçao.com.br

12 de jun de 2011

Resultado da enquete postada em Maio/2011

Nosso BLOG durante o mês de maio publicou uma enquete que levava os amigos internautas a responder a seguinte pergunta: "Quais dos fatores é o maior causador da criminalidade?" Alcançamos um resultado inteligente onde venceu a opção(consumo das drogas), segundo nossos leitores esse é o principal fator influenciador na prática da criminalidade.O resultado nos levou a refletir e pensar  muito neste aspecto, onde o mesmo nos fez perceber uma coerente e realista opinião dos nossos internautas em face a dura realidade vista e encarada atualmente em nosso país, o grande problema da Criminalidade, estampada em cada esquina fria e escura de nosso belíssimo Brasil. Dai em face a toda essa problemática social surge uma pergunta embargada na garganta. O que fazer para mudar? De quem é a culpa? Onde está o cumprimento das leis, se é que existe né?....É amigos!! percebe-se que trata-se de mais uma pergunta sem resposta nesse país, iguais tantas outras. Infelizmente o sentimento de impunidade vaga solto por aí, e muitos adolescentes e jovens mergulham de corpo e cabeça nesse submundo das drogas,roubos,homicídios , enfim a criminalidade em um só gênero.Me perdoem(se é que estou errando) os nossos representantes, mas não encontro outra forma de manifestar a minha opinião sobre isso. Realmente existe uma parcela de culpa por parte de toda a classe representativa do povo brasileiro, o caso é sério e precisa-se alterar as nossas leis e códigos penais e criminais o mais rápido possivel, em outras palavras eu diria que é algo para ontem mesmo. Pense nisso!

Resultado da enquete:
 Consumo do álcool
  0 (0%)
 Consumo das drogas
  13 (38%)
 Ausência da família
  11 (31%)
 Ausência da educação
  11 (31%) 
 Total de votos: 35 votos 

                                                                                           Carlos Senna



9 de jun de 2011

Junte-se a nós rumo a esta conquista!

                                                    Olá meus caros leitores!!
Venho através deste informativo convidar a todos a participar com seu importante voto de apoio e valorização ao nosso trabalho, onde nosso BLOG está concorrendo a uma premiação na categoria de Blog educacional. Gostaríamos muito que todos os nossos leitores pudessem está nos dando esta oportunidade de crescer um pouco mais e de sermos reconhecidos naquilo que mais amamos fazer.


Contamos com a participação de todos que nos apoiam e colaboram conosco!!

                                                                                              Prof. Carlos Senna

7 de jun de 2011

União Homoafetiva em debate no Brasil

Recentemente no Brasil, o Supremo Tribunal Federal aprovou a união civil entre pessoas do mesmo sexo. Várias polêmicas vieram à tona transcendendo a discussão sobre casamento homossexual e preconceito, convidando também à reflexão sobre liberdade de expressão religiosa.
Segundo dados do IBGE, no Brasil existem mais de 60 mil casais homossexuais, número este considerável e que pode ser muito maior ao se considerar aqueles que omitiram sua orientação sexual em razão do preconceito que enfrentam no dia a dia. Dessa forma, do ponto de vista jurídico, esta lei vem ao encontro dos interesses de um grupo social, o qual tem sua representatividade na sociedade e por isso deve ter suas demandas e direitos assegurados pela lei. Afinal de contas, como se sabe, cabe ao sistema jurídico, pelo menos em tese, garantir a igualdade de direitos entre os cidadãos sem fazer acepção de quaisquer características ou peculiaridades existentes e, neste caso, sem se considerar a sexualidade.
Essa decisão é uma conquista importante no sentido de ampliar as garantias patrimoniais entre os homossexuais que vivem em união estável, os quais, em caso de morte do companheiro ou companheira, poderão, com a aprovação desta lei, usufruir legalmente de sua herança, assim como já ocorre com todos os casais heterossexuais desde sempre. Dessa forma, colocando a questão dos direitos sobre patrimônio como o ponto central da discussão em torno desta lei, pode-se falar que a decisão do STF não proporciona uma mudança radical na organização da sociedade brasileira, pois não há restrições legais para que pessoas do mesmo sexo não tenham um relacionamento afetivo, nem mesmo para que não morem juntas. A constituição destas uniões já existe. Em outras palavras, esta decisão do poder judiciário não traz a união homoafetiva como algo novo, mas sim garante sua legalização e direitos outrora cerceados aos casais homossexuais brasileiros.
Em todas as sociedades e ao longo de toda a história da humanidade a relação homoafetiva esteve presente, variando, obviamente, conforme o nível de aceitação social do ponto de vista da cultura, tornando-se algo público ou não. É preciso considerar que os códigos morais e valores são construídos histórica e socialmente, e que por isso se a homossexualidade sempre existiu, por outro lado nem sempre foi tratada da mesma forma. Ainda que se esteja nas primeiras décadas do século XXI e que progressos tenham ocorrido em relação à defesa da integridade humana, a questão da tolerância com relação às minorias (mulheres, negros, homossexuais, entre outros grupos) parece não estar resolvida, fato que se comprova nas ocorrências relatas pelo noticiário, como as agressões contra homossexuais em locais públicos, como na famosa Avenida Paulista, na cidade de São Paulo. No Brasil, ao mesmo tempo em que se aprova uma lei para defesa da mulher, como a lei “Maria da Penha”, também se faz presente um forte preconceito e violência contra homossexuais. Dessa forma, em uma sociedade tão repleta de contradições, não se poderia esperar outra situação do que uma forte divisão entre opiniões “contra” ou a “favor” da discussão suscitada pelo STF.
Considerando-se o estigma que a homossexualidade carrega na sociedade brasileira, não houve consenso na opinião pública com relação a tal lei. Além disso, considerando-se também que esta questão toca a fronteira da religiosidade das pessoas, reverberam-se discursos diversos, os quais, em nome de outros valores que consideram “morais”, esvaziam a defesa da igualdade e da liberdade (fundamentais na moral ocidental) entre os indivíduos, independentemente de sua sexualidade. Dessa forma, pode-se entender que é dever do Estado criar mecanismos para preservação da dignidade humana, a qual não diz respeito apenas a gênero ou orientação sexual, mas sim ao homem enquanto ser autônomo e emancipado.
Na esteira do debate sobre a legalização da união homoafetiva, tem-se também discutido a criminalização da homofobia, isto é, tornar-se crime a manifestação de preconceito contra homossexual. Mas se a intenção em promover a discussão é boa, por outro lado, a forma como vem sendo colocada e defendida por aqueles que se dizem favoráveis à criminalização da homofobia parece embocar numa contradição que também tem levantado polêmicas. Em nome da defesa da diversidade sexual, cogita-se em tornar crime, por exemplo, a fala e a manifestação pública de religiosos que pregam a inconformidade do homossexualismo com suas convicções religiosas e doutrinárias. Em outras palavras, religiões como o cristianismo (evangélicos, católicos, entre outros) teriam seus líderes e fiéis cometendo crime ao mencionarem que reprovam a homossexualidade e atos como casamentos homoafetivos conforme suas fundamentações, que consideram sagradas.
Intelectuais, a mídia, e a opinião pública de maneira geral, apontam que esta seria uma das maiores polêmicas, pois, em nome de uma liberdade (da opção sexual), estar-se-ia, num primeiro momento, cerceando-se outra (a da liberdade religiosa). Assim, se por um lado a legalização da união homoafetiva e a criminalização da homofobia podem ser um avanço numa sociedade que busca construir uma tolerância com a diversidade (no sentido mais amplo da palavra), por outro pode desencadear (mesmo que esta não seja a intenção) um retrocesso no tocante às garantias de liberdade de expressão e de escolha religiosa. Se a pluralidade das escolhas sexuais deve ser respeitada, não de outro modo devem ser consideradas as expressões religiosas. Impedir que pastores, padres ou quaisquer religiosos confessem sua fé conforme os ensinamentos de sua doutrina parece indicar ser também uma forma de afrontar a liberdade, mais especificamente a liberdade de expressão religiosa.
Neste debate é preciso levar em conta ser consenso que a apologia à agressão física ou psicológica como expressões da homofobia, assim como ao preconceito por si só, devem ser expressamente repudiados. É preciso considerar que a própria essência de religiões como o cristianismo parte do princípio da defesa da vida, do homem, do acolhimento, da tolerância e da paz e, dessa forma, aquele que se considera cristão estaria em contradição com sua própria fé ao defender a violência contra o homossexual. Dessa forma, seria preciso deixar clara a fronteira entre discursos homofóbicos que defendam a violência (física ou psíquica) e outros que apenas desconsideram, embasados em sua religião, a naturalidade da homossexualidade.
Se existe o entendimento da necessidade de um Estado laico para garantir a democracia e o direito, a interferência do sistema jurídico na esfera religiosa parece ser uma ideia fora do lugar. Se a liberdade à escolha da sexualidade, bem como a integridade daquele que se reconhece como homossexual, devem ser garantidas, da mesma forma as liberdades de expressão e de religião devem ser asseguradas por lei.
A discussão, a polêmica e o debate propriamente dito fazem parte da vida em sociedade e, além disso, são positivos quando objetivam buscar consensos em nome da tolerância da coesão social. Por outro lado, a imposição de ideias e posicionamentos (em uma ou outra direção), ainda que sejam em nome de uma “causa nobre”, seguem na contramão das liberdades e da construção de um tecido social democrático e tolerante com as diversidades, sejam sexual ou religiosa.

Fonte: brasilescola.com







4 de jun de 2011

Meio ambiente: é preciso criar a cultura da conservação


Trabalhar o tema “meio ambiente” é aparentemente uma missão fácil, já que ele vem ganhando cada vez mais espaço em nosso dia a dia. No entanto, só faz sentido abordá-lo se houver a intenção de se criar a consciência de sua conservação em toda a comunidade escolar, numa proposta de educação que venha despertar desde as séries iniciais até as mais avançadas.
Trabalhar com projetos de aprendizagem abre na sala de aula um espaço para se desenvolver discussões mais amplas, pesquisas e experiências concretas, que podem chegar a uma mostra científico-cultural, favorecendo o aprendizado, dando a oportunidade de deixar a população ciente dos problemas e necessidades do mundo, de forma geral. Além disso, permite o intercâmbio entre as diferentes disciplinas que o estudante cursa.
Muito se tem falado de conservação do meio ambiente, mas não se criou ainda a consciência de que o planeta precisa urgentemente dos nossos cuidados.
As decisões acerca dos problemas estão caminhando de forma burocrática, ficando somente no papel, sem tomadas de decisões mais sérias, tanto por parte da população como por parte dos governantes. Para exemplificar, basta perguntar quantas escolas têm trabalhado, efetivamente, a discussão sobre o consumo consciente e os impactos que as atividades humanas vêm causando a todo o planeta. Outra questão: em quantas capitais brasileiras se faz a coleta seletiva do lixo? Esse processo é realmente efetivo, por exemplo, envolvendo catadores e cooperativas, dando-lhes condições dignas de trabalho?
É bom lembrar aqui o tempo que a natureza leva para extinguir alguns dos principais lixos que recebe. Papel, de três a seis meses; tecido, de seis meses a um ano; filtro de cigarro, cinco anos; chiclete, cinco anos; madeira pintada, treze anos; nylon, mais de trinta anos; plástico, mais de cem anos; metal, mais de cem anos; borracha, tempo indeterminado e vidro, um milhão de anos.
O principal nesse momento são as tomadas de atitude, ainda que de forma individual, na esperança de que sirvam de exemplo para as gerações mais novas. E, quem sabe, conseguiremos fazer com que a população acorde para a gravidade da problemática. Devemos mudar nossos hábitos urgentemente!
Se, por exemplo, pararmos de utilizar copos de plástico e evitarmos as garrafas pet (Politereftalato de Etila), enviando para a reciclagem as já utilizadas, conseguiremos ajudar muito o planeta. Você sabia, por exemplo, que 90% dos detritos encontrados nos oceanos são compostos por plástico; e destes, quase 30% correspondem às famosas sacolas de supermercado?
Outra atitude simples e importante é a de não desperdiçar comida. Primeiramente, porque é injusto fazer isso enquanto um número enorme de pessoas passa fome; e, dentre outros motivos, porque a maior parte do lixo produzido no mundo é o orgânico.
Para finalizar, devemos assumir, desde já, a consciência de que podemos fazer mais pelo planeta; inclusive, ao alertar outras pessoas sobre seus maus hábitos. Basta querer e acreditar que um simples gesto fará a grande diferença.

Basta você querer. E a natureza agradecerá, com certeza.


Fonte: brasilescola.com/educacaoambiental

1 de jun de 2011

"1 ANO DEMOCRATIZANDO o SABER "



                                            COMO TUDO COMEÇOU...
      Há 12 meses atrás precisamente no dia 01 de Junho de 2010, em grande harmonia com o destino por coincidir com meu aniversário também, eu acordava bastante de bem com  a vida e disposto a colocar em prática o desejo de realizar e publicar na internet uma página identificada a minha profissão e ao meu trabalho diário, o de ser professor e integrante da educação pública brasileira.  Um desejo de mais ou menos uns 5 anos,mas que só em 2010 pude torna-lo real e acessível a todos, como sempre fui ligado as questões da educação( Professor concursado desde 2004), sentia a necessidade de divulgar as mais importantes informações e noticiários desta área do saber,que embora pouco desejada e valorizada, devemos reconhecer que sem ela(educação) ninguém chegaria a condição e conquista profissional que muitos chegaram e continuam chegando. 
       Daí entendemos o verdadeiro valor que a educação tem demonstrado exercer em nossa sociedade e que o papel do professor é indispensável neste processo de formação do sujeito enquanto principal agente transformador  do espaço e do meio em que vive. Sinto-me bastante honrado em ter conquistado um pequeno espaço na rede mundial (internet), maior veículo de comunicação até então existido, onde em um mundo cheio de contrastes sociais em que pobres e ricos ainda vivem distanciados através de um cruel abismo que os separam, em razão do incompetente e insensível sistema político de interesses pessoais que ainda assola inúmeros lugares deste mundo, tirando o único pedaço de pão da boca de quem sente fome e favorecendo sem medidas aqueles que vomitam por tanto comer e se enriquecer cada vez mais. 
       Mas que mesmo assim o acesso a internet se popularizou ao longo dos últimos anos e permitiu tanto a mim quanto  a você estarmos hoje regozijados e compartilhando o aniversário de um humilde blog que só teve e continua tendo a maior intenção de deixá-lo informado a cada instante. Por isso eu, Professor Carlos Senna, duplamente feliz (por ser hoje também o meu aniversário) quero agradecer de todo o meu coração a você que durante  esse período esteve nos dando a sua atenção em visitar e compartilhar com nossas matérias e postagens, e podem acreditar que todas tem sido escolhidas e produzidas com muito carinho e responsabilidade exclusivamente a você que é nosso leitor diário.

       Por isso quero dizer muito obrigado pelos mais de 7 mil acessos alcançados em 1 ano por leitores de todo o nosso Brasil e porque não dizer alguns países também. Com muita dignidade peço que continuem nos visitando e enviando sua opinião e sugestão sempre, como também nos ajudando com a divulgação de nosso endereço que é muito fácil ( WWW.democratizandoosaber.blogspot.com).
                                                                                 Um abraço a todos
                                                                                 Prof. Carlos Senna

Nosso maior presente...A sua opinião!

O blog Democratizando o Saber é um excelente meio de informação para os educadores e educandos. E o querido amigo Carlos sena como idealizador do blog está de parabéns, com grande leque de informações o mesmo trata temas cotidianos de forma direta e democrática. Parabéns e muitos anos de sucessos para o Blog.

    Priscila Sibelly Muniz
    Pedagoga
       Uniao dos Palmares-AL

   "Em um universo de opções o blog Democratizando o Saber  é uma estrela que irradia conhecimento,cultura,arte e crescimento pessoal... Parabens e Sucessos ao Prof. Carlos Senna!"

    Oceano Wap
    Compositor e escritor
    Maceio-AL

  "Ao tratar de aspectos voltados a educação, considero uma iniciativa simples porém  importantíssima a idéia de criação do Blog, com organização e bom conteúdo  o mesmo foi sendo aos poucos  aprimorado, fui um dos que vi esse projeto nascer “. Parabéns pela iniciativa e pelo primeiro ano de muitos que virão, assim esperamos".

           Valdemir Fernandes de Lima
           Psicólogo
           Curitiba-PR.

 “Democratizar é oportunizar a todos o mesmo direito de acesso. No caso do blog o acesso ao conhecimento e ao saber”. Parabéns pela iniciativa!

        Alan Pereira dos Santos
        Estudante
        Salvador-BA

  "A educação que começa no lar, com a educação aprendida na escola, até a educação pela internet, temos o pleno conhecimento cultural de uma espécie que renasce todas as manhãs. Na democratização do saber, está este espaço que é movido pelo mestre Carlos Senna". Parabéns!

    Clezivaldo Mizael
    Fotógrafo
    União dos Palmares-AL

    É com imenso prazer que falo do blog "Democratizando o saber" do meu amigo Carlos, pois se trata de um espaço onde o mesmo nos apresenta curiosidades e informações importantes a respeito da educação básica. O professor Carlos foi bastante feliz quando decidiu criar o blog há um ano e, na oportunidade, parabenizo-o pelo primeiro ano de aniversário deste importante meio de comunicação palmarino. Que este seja o primeiro de muitos aniversários e que o "Democratizando o saber" alce vôos maiores.

    Franco Maciel de Carvalho Ferreira
    Geógrafo e fundador do Blog “A terra da Liberdade”
    União dos Palmares-AL

 “É sempre bom ver ex- alunos contribuindo para a construção de uma sociedade melhor, e o Carlos tem feito isso através deste blog. Discutir educação, sobretudo num Estado como este, marcado por elevados índices de analfabetismo é contribuir para o processo de transformação. Assim sendo, resta apenas parabenizá-lo pela inciativa."

   Prof. MSc. Reinaldo Sousa
   Geógrafo e Diretor do Campus V da Uneal.
   União dos Palmares-AL

   O blog DEMOCRATIZANDO O SABER é na verdade uma importante fonte de informação. Que nos possibilita a refletir sobre as questões pertinentes a educação nos dias atuais. Críticas necessárias, informações precisas e dicas oportunas são ferramentas fundamentais para esse veiculo de comunicação tornar-se ideal para todos democraticamente. Parabéns ao professor Carlos pela brilhante iniciativa.

   Adriano Firmino Marques
   Professor
   União dos Palmares-AL

     Estou muito feliz em fazer parte de um grupo de professores que amam a educação como o prof. Carlos. Meus parabéns pelo primeiro ano de dedicação nesta trajetória de vida, sempre proporcionando a todos as informações sobre a educação do nosso país e usando criatividades no seu dia-a-dia de trabalho. Sua magia de blog faz a diferença, quero festejar o primeiro aniversário do seu blog com muita satisfação. O que considero mais legal desse site é a certeza de saber que o mesmo é atualizado diariamente.  Estou feliz em saber que posso estar por aqui aprendendo contigo. Fiquei muito grata com o convite para participar comentando sobre esse sonho que virou realidade na vida de todos nós. Continue brilhando e encantando. Abraços!

       Maria Salomé Ferreira de França
       Professora e Pesquisadora
       Uniaõ dos Palmares- AL
  
 “Encontrar pessoas sérias sempre foi muito difícil. Mais difícil ainda é encontrar pessoas que alem de sérias são comprometidas de maneira democrática e revolucionária. É por isso que o prof. Carlos, idealizador do blog Democratizando o Saber merece os nossos mais sinceros cumprimentos pelo belíssimo trabalho em defesa da educação com qualidade e de valorização dos professores. Parabéns professor Carlos Senna!”

Isaias Francisco da Silva 
(Acadêmico do Curso de Letras do Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia de Alagoas – IFAL.)
União dos Palmares-AL 

   "O blog Democratizando o saber" tem nos dado a oportunidade de enriquecer nosso conhecimento nas mais diversas áreas de pesquisa, contribuindo assim com a Educação e a Cultura de nosso povo. Parabens pelo 1 aniversário"

   Kleber Marques
   Radialista da rádio Difusora de Alagoas
  União dos Palmares-AL

  " Fico muito descansado em saber que ainda nos dias de hoje temos profissionais que não se cansam em fazer a diferença  na educação brasileira, mesmo sendo um serviço de "formiguinha", podemos ver lá na frente os resultados sendo alcançados. E com isso ficaremos muito satisfeitos e gratos tambem.
 Parabens ao prof. Carlos Senna pelo válido trabalho desenvolvido em seu blog.

  Moisés Silva
  Agente de Proteção da Aviação Civil
 Guarulhos-SP